D. Tomás de Almeida

 

Author unknown

18th century

Oil on canvas

Dimensions: 765 x 660mm; 910 x 810mm (w/ frame)

MC.PIN.263

Palácio Pimenta

D. Tomás de Almeida (Lisboa 11.9.1670 - 27.2.1754) foi o primeiro Cardeal Patriarca Lisboa. A sua nomeação surge na sequência da política que D. João V seguiu no seu reinado, de crescimento e ostentação do poder civil e religioso da Coroa Portuguesa perante as outras cortes europeias.

O monarca desenvolveu estrategicamente a sua diplomacia junto da Santa Sé, para a obtenção de alguns favores papais: o reforço da integridade e autonomia do Padroado Português do Oriente; a divisão diocesana de Lisboa; a elevação do Arcebispo de Lisboa à dignidade de Patriarca; e o direito de nomeação dos Núncios.

Simultaneamente, a alteração da imagem da capital tornou-se numa das prioridades do monarca, sendo evidente a expansão da cidade para ocidente, de que resultou a intenção de fazer uma divisão administrativa e eclesiástica de Lisboa em duas. Este propósito foi conseguido através da bula In Supremo Apostolatus Solio, de 7 de Novembro de 1716.

Lisboa Oriental correspondia à parte antiga da cidade, centrada na catedral medieval; Lisboa Ocidental, ideologicamente designada por “Lisboa Nova”, surgiria como símbolo de uma capital imperial que se pretendia renovada e da união entre o patriarcado e a monarquia. Era aqui que se encontravam o Palácio Real e a Real Capela de São Tomé, nos Paços da Ribeira, então elevada à categoria de Catedral metropolitana, com o título de Santa Igreja Patriarcal.