Lisbon seen from the Quinta da Torrinha, Val de Pereiro

L. B. Parlgns, drawing.

William James Bennett (1787-1844), print

1850-1900

Aquatint etching

Dimensions: 540 x 665 mm

MC.GRA.1464

Palácio Pimenta

Vista de Lisboa, a partir da Quinta da Torrinha, incluindo o Vale do Pereiro, destacando-se, a oriente e em primeiro plano, a colina da Pena, secundada pelas colinas do Castelo e da Graça e, a ocidente, as do Carmo e S. Francisco, enquadradas pela envolvente rural para norte da cidade. Ao fundo, o Tejo e a Serra da Arrábida.

Os terrenos envolventes da Quinta da Torrinha, que na primeira metade do século XIX correspondiam a uma vasta área rústica de quintas, terras de semeadura, olivais e velhos casarões de tipo arrebaldino, estendendo-se entre a Rua de Artilharia Um e o caminho do Andaluz, até S. Sebastião da Pedreira, configuravam-se precisamente no ponto de expansão da cidade. O espírito da renovação subjacente aos projectos de melhoramentos da capital, entre outros aspectos, ditaram a demolição do Passeio Público em 1879, para dar lugar à Avenida da Liberdade e ao início de um longo debate público sobre o prolongamento da nova artéria, tendo sido finalmente decidido fechar a avenida, no topo norte, com a implantação de um espaço jardinado, o Parque da Liberdade, cujas obras se iniciaram em 1889.

Mais tarde, já no séc. XX e após ter sido alvo de reformulação, este jardim será rebatizado Parque Eduardo VII, em homenagem à visita que, em 1903, o soberano britânico fez a Portugal.