DEZEMBRO 2017 NO MUSEU DE LISBOA
01 Dez 2017 a 31 Dez 2017

1 dez. a 7 jan. de 2018 | Santo António

O Presépio de Estremoz

Exposição

 

A apresentação de três presépios de Estremoz no Museu de Lisboa – Santo António ilustra a extraordinária riqueza da criação barrista desta região alentejana. Revela também uma notável relação entre a representação da natividade em altar, característica da sua produção a partir de meados do século XX, com os tradicionais Tronos de Santo António, tão familiares aos lisboetas.

As peças foram cedidas para esta exposição pelo Museu Municipal Prof. Joaquim Vermelho, que prepara a candidatura do figurado de barro de Estremoz a Património Cultural Imaterial da Humanidade.

 

The exhibit of three Estremoz nativity scenes at the Museum of Lisbon - Santo António illustrates the extraordinary wealth of creativity of the pottery tradition in this region of the Alentejo. It also reveals a noticeable comparison between the representation of the Nativity in the form of an altar, characteristic of their production since the mid 20th century, and the traditional Thrones of Saint Anthony that are so familiar to the people of Lisbon.

These pieces were granted by Prof. Joaquim Vermelho Municipal Museum, that is preparing the candidature of Estremoz clay figurines for Intangible Cultural Heritage of Humanity.

 Horário: de terça-feira a domingo, das 10h às 18h / From Tuesday to Sunday, 10 a.m to 6 p.m.

 

1 e 10, sexta e domingo, 11h30 | Santo António

Os presépios de barro

Atividade para miúdos e graúdos

O Natal está a chegar à cidade! As luzes enfeitam as ruas, as árvores decoram as casas… Este ano, propomos desvendar tradições de Natal, desde os tempos romanos até à atualidade.

Quantas figuras tem um presépio tradicional português? Nesta atividade, desafiamos miúdos e graúdos a olhar com os olhos bem abertos para os presépios portugueses e, dando largas à sua criatividade, a criar uma figura para a sua própria recriação do momento do nascimento de Jesus.

 

Entrada livre sujeita à lotação.

 

Integrado na programação Natal em Lisboa, da EGEAC Cultura em Lisboa

 

1 dez. a 6 de jan. | Teatro Romano

Um lararium no teatro romano

Instalação

Em época romana não havia presépio, mas todas as casas tinham um larário: um altar onde eram veneradas as divindades protetoras do lar. Convidamos os visitantes a decorar o larário do museu e a deixar um desejo aos deuses

 

2 e 16, sábado, 11h30 | Teatro Romano

A árvore da Saturnália

Atividade para pequenos e graúdos

Em época romana o solstício de inverno era celebrado de 17 a 23 de dezembro quando eram decoradas de forma especial as árvores.

Convidamos miúdos e graúdos a decorar esta árvore que é uma celebração universal à abundância da natureza. Venha descobrir e decorar a nossa árvore romana!

 

Entrada livre sujeita à lotação.

 

Integrado na programação Natal em Lisboa, da EGEAC Cultura em Lisboa

 

 

5, terça, 18h30 | Palácio Pimenta

Lisboa W-E, de José Manuel Costa Alves

Lançamento de livro

 

7, quinta, 18h | Palácio Pimenta

Presença africana na arte em Lisboa

Ciclo de conferências

 

“Presença Africana na Escultura em Lisboa, séculos XVII a XX: Expressões de Exotismo e Convivência” Sílvia Ferreira (IHA/FCSH/Universidade Nova de Lisboa).

 

Ciclo de conferências realizado no âmbito da programação Passado e Presente Lisboa 2017 Capital Ibero-americana de Cultura.

Entrada livre, sujeita à lotação da sala.

 

7, quinta, 19h | Palácio Pimenta

Testemunhos da Escravatura. A Memória Africana no Museu de Lisboa 2017

Lançamento do livro

 

Integrado na programação Passado e Presente – Lisboa, Capital Ibero-americana de Cultura 2017, o livro reúne o contributo do Museu de Lisboa para o projeto Testemunhos da Escravatura. Memória Africana, liderado pelo Gabinete de Estudos Olisiponenses (Câmara Municipal de Lisboa). Através da coleção do Museu de Lisboa, a obra evoca a forma como artistas nacionais e estrangeiros captaram o fenómeno da escravatura, entre os séculos XVII e XX, e revela alguns pontos de contacto com a cidade de hoje, onde a memória das comunidades escravas está, paradoxalmente, ainda tão presente.

 

8 e 17, sexta e domingo, 11h30 | Palácio Pimenta

Árvores de Natal do mundo!

Atividade para miúdos e graúdos

 

A tradição diz que foi Fernando de SaxeCoburgo e Gotha, marido de D. Maria II, quem trouxe o costume da árvore de Natal para Portugal. No entanto, já se decoravam pinheiros e abetos alguns séculos antes.

Propomos uma viagem pelo mundo para descobrirmos como são decoradas as árvores de Natal, quais as tradições de celebração e muitas outras curiosidades.

No final desafiamos cada família a fazer as decorações para a sua árvore!

 

Entrada: 3€, bilhete família 50% desconto (mínimo 1 adulto e 1 criança até 2 adultos e 2 crianças), para maiores de 6 anos, marcação obrigatória.

 

12, terça, 18h30 | Palácio Pimenta

O panorâmico de Monsanto como máquina metropolitana

Palestra por Luís Santiago Baptista

 

A ideia de construir um grande restaurante em Monsanto surgiu a seguir à Guerra, concretizada num projecto do final dos anos 50 de Francisco Keil do Amaral, arquitecto dos grandes parques modernos em Lisboa, entre eles o de Monsanto. No entanto, um novo projecto seria desenhado e construído uma década depois pelo arquitecto da camarário Chaves da Costa, a pedido do próprio Presidente da Câmara, revelando-se uma obra em grande medida desalinhada e enigmática. A sua forma dá-lhe o nome de panorâmico, um edifício de composição afirmativa e monumental, lançado no ar com uma vista de quase 360º, um refúgio no alto do parque florestal para ver a cidade, propondo uma visão ocular sobre o skyline moderno de Lisboa então em grande transformação. Partindo de um programa relativamente convencional, vai apurando a sua natureza como verdadeira máquina metropolitana de lazer, com uma expansão de novas valências nocturnas para o subsolo. Decadente e finalmente abandonado com o aproximar do fim do milénio, como que rejeitado pela metrópole que quis celebrar, o Panorâmico tornou-se agora miradouro, aguardando um concurso que o faça renascer das cinzas como uma fénix.

 

Luís Santiago Baptista é arquiteto e desenvolve uma atividade multifacetada, compreendendo a prática profissional, a docência universitária, a investigação e crítica de arquitetura, o comissariado de exposições e a edição de publicações. Organizou em conjunto com a arquiteta Maria Rita Pais o projeto Viagem ao Invisível, que culminou numa exposição patente no Teatro Thalia no Verão de 2017, no qual o Panorâmico de Monsanto foi um dos casos de estudo.

 

14, quinta, 18h | Teatro Romano

Antes de Lisboa existir. O espaço da Pré-História

Palestra por João Muralha, investigador

 

16, sábado, 16h30 | Santo António

Fados para Santo António – Brincar aos Fados

Com Rodrigo Costa FélixTânia Oleiro, Henrique Leitão (Guitarra Portuguesa e voz), Jose Quaresma (Viola de Fado e voz) e ainda Tiago Torres da Silva que irá ler alguns excertos de contos.

A performance musical “Brincar aos Fados” faz parte do projeto com o mesmo nome, cujo primeiro CD multiartista foi editado em 2015, e pretende levar à cena um conceito diferente de espetáculo de Fado. Direcionado principalmente às crianças (mas procurando cativar o interesse de toda a família), visa dar-lhes uma nova visão sobre esta expressão cultural portuguesa, Património Imaterial da Humanidade pela UNESCO: contrariando a noção generalizada de tratar-se de uma canção exclusivamente triste, melancólica e cinzenta, mostrará que o Fado canta essencialmente emoções, sejam elas alegres ou tristes, e que se reveste dos mais variados matizes.

Recentemente foi também editado o livro de contos ilustrados “Brincar aos Fados”. Alguns excertos destes contos serão também incluídos no espectáculo de forma a despertar também nas crianças o interesse e o gosto pela leitura.

 

“A proposta que Rodrigo Costa Félix e Tiago Torres da Silva nos trazem neste projeto é, por

isso, profundamente original. Trata-se, nada mais, nada menos, do que propor um Fado cuja lírica possa ser capaz de entrar no imaginário infantil, e de assim se tornar também ele veículo de perguntas e de sonhos, de jogos e de brincadeiras, de curiosidades e de aprendizagens – de tudo aquilo, afinal, que associamos ao olhar de uma criança sobre a vida e sobre o mundo.”

Rui Vieira Nery

 

Each month, Fado and Saint Anthony meet each other at Museum dedicated to the Saint, Museum of Lisbon – Saint Anthony. After a visit to the museum, there is a fado concert.

 

A partir dos 6 anos; 5,00€ (até aos 12 anos entrada gratuita, >65: desconto 50%)

Informações e marcações: servicoeducativo@museudelisboa.pt ou pelo telefone 217 513 256

Sujeita à lotação. Aconselhado para maiores de 6 anos.

 

 

 

17, domingo, 11h | Palácio Pimenta

Uma História Musical do Natal

Concerto de Ensemble OPUS 28

 

Com voz e quarteto, em formato de concerto comentado, levamos até si algumas das mais famosas músicas que constituem o imaginário desta quadra festiva. Os ouvintes são conduzidos pela História da Música de Natal ao longo dos séculos, através de melodias conhecidas (Adeste Fideles, Joy to the world, Jingle Bells...) e de uma linha narrativa especialmente construída para o efeito, pela autora de livros de História para todas as idades, Armanda Menezes. 

Depois do sucesso deste formato com estreia em 2013 numa apresentação pública na livraria Ler Devagar, temo-nos apresentado em vários eventos públicos e privados com grande sucesso (ex: Palácio de Seteais, Igreja de Santo Condestável, Museu da Música). 

 

17, domingo, 16h30 | Santo António

Al’Arido - Histórias de Natal no Feminino

Concerto de Mara Marques, Susana Quaresma, Diana Matos e Susana Moody

 

Neste concerto reportamo-nos até à noite da peregrinação de José e Maria em busca  de  acolhimento  e  aconchego  para  o  nascimento  do  filho  de  Deus;  a peregrinação  de  um  povo  em  busca  de  uma  luz,  em  busca  de  um  “lugar” seguro. Contamos, através da música, histórias de várias Marias caminhantes, de várias terras, em várias línguas. Trata-se de um concerto intimista, sereno, de partilha, no verdadeiro espírito do Natal.

Os Al’Arido, unem a riqueza da música popular e tradicional à interpretação da música erudita. É no constante diálogo entre a tradição oral e o repertório escrito e na exploração das suas influências mútuas que este ensemble procura a re-criação da música no nosso tempo. Aqui apresentam-se na sua formação feminina. 

 

Intérpretes:

Mara Marques e Susana Quaresma – Vozes e percussões

Diana Matos – voz e alaúde

Susana Moody – voz e viola da gamba

 

Dezembro | Teatro Romano

A árvore de Saturnália

Instalação de Gabriela Albergaria e Pedro Pacheco

 

Em época romana o solstício de inverno era celebrado de 17 a 23 de dezembro quando eram colocadas máscaras em árvores. Convida-se o público a ornamentar esta árvore que é uma celebração ecuménica à fertilidade da natureza.  Obra da artista plástica Gabriela Albergaria em colaboração com o Arquiteto Pedro Pacheco

 

Art installation by Gabriela Albergaria and Pedro Pacheco

In roman times, the winter solstice was celebrated between 17th and 23rd December, placing small masks in the trees. The public is invited to decorate a tree which is an ecumenic feast to nature´s fertility. Artistic work by the artista Gabriela Albergaria in collaboration with the architect Pedro Pacheco

 

Dezembro | Teatro Romano

Do latim ao português

 

exposição