Ânfora (fragmento)

Séc. I / inícios séc. II

Barro

Dimensões : Ø externo do bordo: 196 mm

Proveniência:Teatro Romano de Lisboa. Intervenção arqueológica de 2005 (área do pátio)

TRL/05/2385

Teatro Romano

Fragmento de boca de ânfora tipo Dressel 7-11 proveniente da Baía Gaditana (Sul de Espanha), conservando ainda parte do colo e arranque de asa. O bordo apresenta uma morfologia moldurada, sendo esvasado, de secção subrectangular, com lábio arredondado e pendente. O colo é bitroncocónico e claramente destacado do bordo.

Este tipo de ânforas, destinados ao envase e transporte de preparados de peixe (Garum, Liquamen, Muria, Halex e Laccatum) produzidos na região costeira da província da Bética entre o último terço do século I a.C. e os finais do século I / inícios do século II d.C., foram amplamente difundidas por todo o Império Romano. 

Com particular incidência no Mediterrâneo Ocidental, estes modelos foram preferenciais para a distribuição das salgas hispânicas. Foram ainda produzidas no Vale do Guadalquivir, na província da Tarraconense, na Gália, na Mauritânia e na Lusitânia, onde foram reconhecidas nos fornos do Morraçal da Ajuda (Peniche) e no Porto Sabugueiro (Muge).