Ânfora (fragmento)

Séc. II a.C.- I a.C.

Barro

Dimensões: Ø externo do bordo: 234 mm

Proveniência: Teatro Romano de Lisboa. Intervenção arqueológica de 2005 (área do pátio)

TRL/05/2657

Teatro Romano

Fragmento de boca de ânfora tipo Mañá C2b produzida na área do Estreito de Gibraltar, conservando ainda o arranque das paredes. O bordo é amplo, extrovertido e moldurado, apresentando uma espécie de aba vertical.

Este tipo de ânforas piscícolas, produzidas na zona da Baía de Cádis, na costa de Málaga e na atual costa marroquina, foi amplamente distribuído na Península Ibérica e em todo o Mediterrâneo centro-ocidental entre os meados do século II a.C. e o último quartel do século I a.C.

Em Portugal, foram identificadas na região a sul do rio Mondego, principalmente nas zonas costeiras e nos vales dos grandes rios, encontrando-se particularmente bem representadas no vale do Tejo: Santarém, Chões de Alpompé e Lisboa.

A presença desta peça, a par de outras de idêntica tipologia encontradas no Teatro romano de Lisboa, comprova algumas das redes comerciais estabelecidas entre Olisipo e outras cidades da Península Ibérica ou, neste caso, entre a parte mais ocidental da província da Lusitânia com a província da Bética. A indústria de transformação piscícola existente na cidade de Lisboa exigia grande quantidade de contentores para o envasamento desses produtos, tendo sido também utilizadas ânforas que eram trazidas de distintos sítios do Império.