Cabeça de estátua (fragmento)

Séc. I d.C. (meados)

Mármore

Dimensões: 20 X 23 mm

Proveniência: Teatro Romano. Intervenção arqueológica de 1964

C/ARQ/TRL.66/67-2 LAP

Teatro Romano

Fragmento de cabeça de estátua, possivelmente masculina, representando talvez o deus Apolo ou Dionísio. De um dos lados apresenta uma fita que prende parte do cabelo e do outro uma taenia, um pano ou faixa, que recobre parte da cabeça. A parte superior é repuxada para cima, encontrando-se o cabelo disposto ao longo da fita, distribuído em mechas e finalizando em caracóis. Por baixo da fita os cabelos caem quase lisos, seguindo um padrão repetitivo.

Em termos escultóricos, esta peça evidencia um bom trabalho técnico, com os vários motivos – mechas, caracóis, ondulação – bem delineados, como que desenhados, mas com pouca expressão volumétrica. O trabalho com recurso a trépano está praticamente ausente.

Esta peça surgiu no decurso da primeira campanha de escavações realizada no Teatro Romano por D. Fernando de Almeida em 1964. Foi então por ele publicada interpretando-a como “… parte superior da cabeça de uma mulher, lavrada no século I D.C.”. O facto de o autor ter pensado que os caracóis se localizariam na parte de trás da nuca terá contribuído para os considerar arranjados numa espécie de “carrapito” e associar este fragmento de cabeça a uma figura feminina.

A hipótese de esta figura se tratar de uma representação de Dionísio, resulta da sua comum associação à figura de Sileno, seu professor e companheiro, sendo muito provável a sua presença no teatro.