Claustro do Convento de Belém

Williams Barclays Stanfield (desenho)

Eugéne Cicéri e Mathieu (litografia)

Séc. XIX

Litografia colorida

Dimensões: 384 x 540 mm

MC.GRA.1456

Palácio Pimenta

Representação do claustro manuelino antes da intervenção de restauro oitocentista, vendo-se o piso superior com os vãos entaipados e com os lagos e canteiros, com muros revestidos a azulejo enxaquetado.

O Real Mosteiro de Santa Maria de Belém foi mandado edificar por D. Manuel em 1496, tendo sido construído no mesmo local onde anteriormente se localizava uma pequena ermida, de evocação a Santa Maria de Belém e entregue à Ordem de Cristo. Concebido como núcleo monástico e panteão real, constituiu a principal obra régia da época, inserindo-se num contexto de obras na cidade, realizadas no âmbito de uma política de afirmação e engrandecimento da imagem régia. 

Deve-se a Diogo de Boitaca o projeto original embora, dada a grandiosidade da obra, tivessem sido diversas as empreitadas de construção. A partir de 1517 os trabalhos foram entregues a João de Castilho que introduziu algumas alterações ao plano original e, posteriormente, As intervenções posteriores, a Diogo de Torralva e Jerónimo de Ruão, já sob a égide de D. João III (1521 – 1557). Exemplo ímpar da arquitetura manuelina, integra elementos arquitetónicos e escultóricos do gótico final e do renascimento, associados a uma linguagem simbólica de louvor a Deus, ao Rei e às campanhas dos Descobrimentos.