Pluvial

c. 1821

Seda, metal dourado e prateado

Dimensões: 1540 mm X 3080 mm

Proveniência: Igreja de Santo António de Lisboa

MA.TEX.76

Santo António

Capa cortada em semicírculo, unindo à frente através de firmal. Nas costas, apresenta um capuz em forma de escudete. Tecido em seda canelada creme com lhama prateada, inteiramente bordado com laçarias, motivos vegetalistas estilizados e barras estreitas que acompanham o sebasto e ornamentam a orla do capuz e do firmal. Bordado a metal dourado e prateado sob a forma de lâmina, lantejoulas, fio laminado e fio crespo, ambos com alma de seda amarela; é utilizado o ponto de ouro estendido sujeito a fio de seda amarela, ponto de ouro com relevo e canutilho. O sebasto, o capuz e o firmal são as zonas com maior densidade de bordado. As duas extremidades do sebasto apresentam insígnias nos materiais atrás mencionados e ainda em tecido e bordado de seda policromada (amarelo, verde e rosa). O capuz ostenta uma franja de fio laminado dourado com alma de seda amarela e pendentes em canutilho dourado. 

As extremidades do sebasto apresentam as armas de D. Francisco José Rodrigues de Andrade (1761-1838), bispo do Funchal em 1821. A cor do chapéu e das borlas, bem como a cruz de uma só travessa, correspondem à dignidade de bispo. Em contrapartida, o número de borlas (dez de cada lado) está em conformidade com a de arcebispo.

O pluvial é usado pelos membros do clero em procissões e algumas cerimónias solenes.