Registo neoclássico com São Marçal e São Francisco de Borja

Francisco de Paula e Oliveira (atribuída)

Real Fábrica de Louça, ao Rato (?)

c. 1790

Faiança

Dimensões: 840 x 700 mm

Proveniência: Travessa das Fiandeiras, 4

MC.AZU.19

Palácio Pimenta

No ano que se seguiu ao sismo de 1755, São Francisco de Borja foi elevado à condição de padroeiro contra os terramotos em Portugal. O pedido partiu da Companhia de Jesus para avivar a devoção ao santo e recuperar alguma supremacia espiritual para a Ordem numa altura em que a sua expulsão estava iminente. Neste contexto, o santo teve alguma visibilidade até ao afastamento da Ordem em 1759. Nos registos o padroeiro surge habitualmente com o hábito de jesuíta. Tem como atributo uma caveira coroada que exibe na mão, segurando na outra, um crucifixo.

Fazia par com outro registo aplicado no nº10, representando São Francisco de Assis e Santo António.