Registo rococó com Nossa Senhora da Penha de França e Cristo em dois momentos da Paixão

Produção de Lisboa

1756

Faiança

Dimensões: 2880 x 1640 mm

Proveniência: Travessa do Calado, 2 (antiga Quinta do Alperche)

MC.AZU.12

Palácio Pimenta

O culto mariano à Senhora da Penha de França, muito popular entre os lisboetas, remonta a finais de Quinhentos, tornando-se bastante mais vincada após o Terramoto de 1755. Tal invocação da Virgem, a quem os mareantes recorriam face aos perigos do oceano, era considerada também protetora por excelência da cidade, que defendia contra todo o tipo de malefícios, sendo particularmente invocada contra pestes e terramotos. Neste registo, a legenda na cartela é sugestiva de uma destas preocupações:

Em o 1º de novembro do ano de 1755 Sábado dia de Todos-os-Santos pelas nove horas e meia houve o grande terramoto em Lisboa em que se destruíram os templos e toda a cidade e no Domingo que se contam 2 do mês pela manhã veio Nossa Senhora da Penha da sua Igreja por causa da ruína que nela houve e se colocou no mirante desta quinta a donde esteve vários dias orando pelos pecadores e depois se lhe fez sua Ermida a donde esteve sempre com grande assistência dos seus religiosos e com extrema veneração de todo o povo cristão e daqui foi em 2 de julho 1756 com grande solenidade e pompa para a sua Igreja nova a donde hoje se venera e adora como sempre.

Na década de 80 do séc. XX, por motivos de preservação o registo foi substituído por uma cópia, sendo o original transferido para o Museu de Lisboa – Palácio Pimenta.