• Sobre Nós
  • Publicações


  • Sobre Nós

    O Museu de Lisboa é um museu de cidade, que tem como vocação dar a conhecer a identidade cultural, social, económica, política, antropológica e territorial da cidade de Lisboa, refletindo a sua evolução histórica e da população que a caracteriza.

    Tem como missão despertar a curiosidade sobre o lugar físico e a sua ocupação ao longo dos tempos, sua relação com o rio enquanto elo de ligação entre margens e porta para o Mundo. Ao interpretar a cidade através dos testemunhos materiais e imateriais existentes/expostos permite dar a conhecer a sua herança multicultural – passada e presente – como contributo para os seus possíveis futuros.

    Sendo um dos espaços culturais geridos pela EGEAC, o Museu de Lisboa é um museu polinucleado que congrega cinco espaços de vocações patrimoniais complementares: Museu de Lisboa - Palácio Pimenta; Museu de Lisboa - Santo António; Museu de Lisboa - Teatro Romano; Museu de Lisboa - Casa dos Bicos; Museu de Lisboa - Torreão Poente.

    O objetivo de criar um Museu Municipal que documentasse a cidade remonta a 1909, proposta defendida pela primeira vereação republicana da cidade de Lisboa.  

    Até 1942 a história do Museu é feita de hesitações, maioritariamente relacionadas com a inexistência de um local próprio para a sua instalação.

    Em 1930, a Câmara Municipal de Lisboa adquiriu o Palácio da Mitra, tendo sido proposta para este espaço a instalação do museu. Após obras de adaptação do edifício, o Museu da Cidade é inaugurado em 1942, segundo programa museológico da autoria de Mário Tavares Chicó. Desde logo se consciencializou tratar-se de solução provisória, dada a exiguidade e compartimentação do espaço e a escassa coleção (fecharia em 1975).

    Com a compra do Palácio Pimenta em 1962, surgiram novas perspetivas para o Museu, sendo definitivamente decidida a sua transferência para o Campo Grande já no início da década de 70.

    O novo programa museológico, elaborado por Irisalva Moita entre 1973/1975, propunha um discurso cronológico e evolutivo sobre a cidade, relacionado com o acervo existente que tinha aumentado exponencialmente, sobretudo com a aquisição da coleção do olisipógrafo Augusto Vieira da Silva e integração de espólio arqueológico, proveniente de intervenções realizadas na cidade. 

    Em 1979, com a conclusão das obras de adaptação do Palácio Pimenta, o Museu da Cidade abre ao público, apresentando a História de Lisboa entre o século XVII e o 1910. Só na década de 80 foram surgindo os restantes sectores: Maqueta de Lisboa antes do Terramoto; Reconstituição de ambiente palaciano setecentista; Da Pré- História ao Século XVII. 

    Ao longo das últimas duas décadas, não obstante ter-se mantido o percurso com a história cronológica da cidade, toda a exposição permanente sofreu diversas remodelações, tanto museológicas como museográficas, com destaque para as salas da Pré-História ao Século XVII e Maqueta de Lisboa antes do Terramoto, com novos conteúdos, novas peças, sinalética informativa e multimédia.

    No âmbito da política implementada pelo executivo desde 2009, o Museu da Cidade foi alvo de reformulação, tanto programática como de imagem, passando a ser designado por Museu de Lisboa desde o início de 2015.

    Atualmente, o museu é um dos espaços culturais geridos pela EGEAC - Empresa de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural, da Câmara Municipal de Lisboa. 

    O Museu de Lisboa encontra-se sob a gestão de uma equipa constituída por um Diretor e por três Coordenadores:

    Diretora do Museu de Lisboa 
    Joana Sousa Monteiro

    Museu de Lisboa - Palácio Pimenta
    Coordenação

    Paulo Almeida Fernandes

    Museu de Lisboa - Santo António
    Coordenação

    Pedro Teotónio Pereira

    Museu de Lisboa - Teatro Romano
    Coordenação

    Lídia Fernandes

    O Museu de Lisboa integra os seguintes serviços e áreas funcionais: 

    – Inventário Geral e Documentação
    – Centro de Documentação e Arquivo Fotográfico
    – Investigação e Estudo das Coleções
    – Serviço Educativo
    – Arquitetura e Museografia
    – Serviço de Conservação e Restauro
    – Serviço de Azulejaria
    – Relações Públicas e Divulgação
    – Serviço Administrativo 
    – Serviços Técnicos de Apoio