O Museu de Lisboa é um museu polinucleado no qual Lisboa e as suas histórias se revelam sob diferentes perspetivas. São cinco os núcleos do Museu de Lisboa: Palácio Pimenta, Teatro Romano, Santo António, Torreão Poente e Casa dos Bicos. Cinco espaços distintos, com valências e objetivos complementares, que partilham uma missão, uma identidade e uma nova imagem. O propósito é o de revelar Lisboa de diferentes formas, para dar a conhecer a riqueza de uma das cidades mais antigas da Europa.

Para além do Teatro, um outro monumento romano é gerido pelo Museu de Lisboa: as Galerias Romanas da Rua da Prata, descobertas no subsolo da Baixa de Lisboa, em 1771, na sequência do Terramoto de 1755. Abrem ao público duas vezes por ano.

Bilhetes online já disponíveis

Já pode preparar a sua visita ao Museu de Lisboa comprando os bilhetes online para a entrada no Palácio Pimenta, Santo António e Teatro Romano

O Museu de Lisboa reabriu no dia 18 de maio com novo horário em todos os núcleos: Palácio Pimenta, Santo António, Teatro Romano e Casa dos Bicos. A exposição Corpus Christi. A Procissão do Corpo de Deus por Diamantino Tojal, instalada no Convento da Graça, funciona no mesmo horário. 

Nesta fase, o Museu de Lisboa reabre com um horário reduzido: todos os núcleos estão abertos das 11h00 às 17h00, de terça-feira a domingo, com a exceção da Casa dos Bicos, que está aberta no mesmo horário, mas de segunda a sexta-feira.

A reabertura acontece de acordo com todas as orientações da Direção-Geral da Saúde e da legislação em vigor relativas às medidas preventivas da pandemia da COVID-19.

Para garantir a segurança tanto dos visitantes como da equipa, o Museu de Lisboa implementou um conjunto de medidas que passa pelo uso obrigatório de máscara dentro dos edifícios, limitação do número máximo de visitantes, com a entrada de grupos com mais de cinco pessoas a ser faseada e as atividades educativas a terem um limite máximo de oito participantes, devendo ser respeitada uma distância de segurança de 2 metros entre visitantes.

 

 

 

 

 

Estátua de Sileno

Terreiro do Paço no século XVII

Santo António livrando o pai da forca